Inovação, diversidade e inclusão: o empreendedorismo de impacto

imagem freepik

summit

Por Ellen Carbonari *, especial para COALIZÃO VERDE (1 Papo Reto e NEO MONDO)

A quantidade de problemas sociais e ambientais que uma sociedade tem é também a quantidade de oportunidades que ela tem para repensar a forma como se organiza. O Stanford Social Innovation Review (SSIR) definiu Inovação Social como uma nova solução para os problemas sociais; uma solução mais eficiente, sustentável e/ou justa que as tradicionais e cujo valor gerado beneficia a sociedade como um todo.

 Ajude 1 Papo Reto a continuar divulgando as grandes iniciativas em ESG, inovação e empreendedorismo de impacto social: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou faça uma DOAÇÃO

 

Entre os principais atores que possuem meios para promover a sustentabilidade, mas muitas vezes carecem de rede e recursos financeiros, estão os empreendedores movidos a impacto. Empresas de impacto são aquelas que têm uma intenção explícita de abordar uma questão social por meio de um modelo de negócio e uma governança que meça e quantifique seus impactos.

Na verdade, esses agentes são essenciais, pois são os que estão mais próximos dos problemas que precisam ser enfrentados.

Esses empreendedores estão tentando encontrar caminhos para escalar seus esforços de mudança social, conforme mostrado no último Mapa de Negócios de Impacto publicado no Brasil em 2019. Uma grande porcentagem, 46% dos negócios de impacto brasileiros, são voltados para tecnologias verdes, dos quais 38% existem há menos de 2 anos e 43% não possuem modelo de negócios com faturamento recorrente.

Um bom exemplo para o ecossistema empreendedor brasileiro sobre como o investimento direcionado pode qualificar uma economia é  a busca pela Economia Verde na Alemanha. De acordo com os últimos estudos da PwC Deutcher Start Monitor, 2019, a Alemanha despontou como líder mundial em inovações em tecnologia ambiental e proteção climática, a partir do investimento e revolução na matriz energética do país.

Se há concordância que a inovação social é uma agenda positiva para a construção e produção de mudanças sociais duradouras, deve-se seguir na criação e disseminação de novas práticas, estratégias, métodos e soluções que a partir da inovação geram impacto positivo. Para isso, é necessário pactuar uma série de atores envolvidos em uma dimensão territorial, setorial ou comunitária e comprometidos com uma visão de transformação de longo prazo.

Um ecossistema multissetorial, diverso e interconectado fortaleceria melhor o empreendedorismo de impacto em direção à escalabilidade no Brasil.

Diversidade como condição para a inovação

Segundo o estudo realizado pela Accenture, Getting to Equal 2019: Creating a Culture that Drives Innovation, organizações diversas e inclusivas percebem menos barreiras para inovar e são até 6 vezes mais criativas do que seus concorrentes. Já uma segunda pesquisa, publicada pela McKinsey em 2015, Why Diversity Matters, mostra que empresas com diversidade étnica e racial tendem a ter retorno financeiro 35% maior do que a média de seus concorrentes de mercado, enquanto organizações com maior diversidade de gênero tendem a ter um desempenho 15% superior a seus concorrentes.

Este desempenho acima da média provém de um emaranhado de lugares. O  diálogo elaborado e um ambiente multicultural que promove a inovação pode ser uma parte da resposta. A não hegemonia cultural, histórica, subjetiva dos indivíduos que compõem essas organizações promove o acesso a novos mercados e  a resolução de problemas complexos por distintas óticas, pessoas que possuem vivências reais nos problemas a serem solucionados.

Assim, criar ambientes diversos é uma estratégia de inovação importante adotada por grandes organizações e que deve ser investigada na abordagem da ampliação de ecossistemas empreendedores, como o brasileiro.  Promover um ecossistema de negócios de impacto liderado por mulheres, pessoas negras, indígenas e de regiões “não-centrais”  é um caminho especial para o empreendedorismo nacional, tão rico e diverso em sua complexidade.

 

*Ellen Carbonari é economista, sócia e head de inovação social da Semente Negócios, empresa de aprendizagem empreendedora que tem como objetivo contribuir para a evolução de ecossistemas inovadores.